O Corintiano

O melhor termo para definir o torcedor corintiano é: paixão. Um sujeito que torce para o Corinthians não pensa muito, não reflete, não supõem nada. Ele apenas sente aquilo, vive, ama incondicional e loucamente de paixão o seu clube.

Talvez isso explique também as explosões de raiva, costumeiras em tristes eliminações futebolísticas. O tapa e o afago andam juntos, ambos estão ao alcance das mãos. O corintiano quer fazer alguma coisa, não pode ver sua equipe sofrer daquele jeito. Assim, bate, briga, apanha, invade, ofende, mas não por maldade. Por amor, dentro da loucura que é o sentimento.

Não que os torcedores de outros times não amem suas agremiações, mas o time do povo é diferente.

Muitas vezes o corintiano esquece o placar da partida e se preocupa mais com a vontade – a gana e a raça – com que, dentro das quatro linhas, os seus jogadores são capazes de atuar. Quantas vezes um carrinho bem dado, ou um desarme, forte, bem feito já não foram comemorados quase como um gol pela massa alvinegra.

“Jogai Por Nós”, essa é uma frase muito presente nos jogos do Timão. Esse é exatamente o sentimento. O corintiano, torcedor, deseja que o corintiano, atleta, jogue por ele. Jogue como eles jogariam. Faça tudo o que ele faria, o possível e o impossível, para vencer uma partida.

Tão diferente e tão igual aquele bando de loucos, e um dos maiores ídolos do Corinthians nos últimos anos, é Carlos Tevez. Diferente porque? Carlitos é argentino. Mas torna-se igual a maioria dos corintiano, pois veio de baixo, das classes mais humildes, batalhou e conquistou tudo o que de melhor poderia ter.

Ídolo corintiano, Tevez pode ser o melhor exemplo do corinthianismo. Ele alia raça ao bom futebol. Para Carlitos nunca houve uma bola perdida dentro de campo. Desse modo, Tevez ganhou um campeonato brasileiro, e, eternamente, conquistou os corações alvinegros.

A rica história do Corinthians apresenta , pelo menos, uma centena de ídolos. Todos geniais, dentro de suas possibilidades e feitos heróicos. Mas Tevez é raça, o Corinthians é raça.

Postado por: Renan LaMarck

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s